terça-feira, 17 de julho de 2012

A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón


Barcelona, 1945, ditadura de Franco. Já nas primairas páginas conhecemos O Cemitério dos Livros Esquecidos. Não há como não se apaixonar e desejar estar lá. 

O jovem Daniel Sempere, de apenas 11 anos, é levado até este lugar pelo paí, em uma noite em que ele não consegue lembrar-se do rosto de sua mãe, morta há muitos anos. O pequeno nos pega pela mão e nos leva com ele pelos labiríntos daquele lugar fascinante e cheios de histórias, com vida própria, com seus próprios fantasmas.

Todo mundo que visita o Cemitério pela primeira vez tem o direito de levar um livro. Em verdade é o livro quem escolhe o seu dono. E Daniel é escolhido pelo A Sombra do Vento, de um autor desconhecido chamado Julián Carax. 

Fascinado pelo que lê, o pequeno Sempere devora suas páginas e assim, aguçado pela admiração e curiosidade, ele sai em busca do autor e se depara com inúmeros mistérios e situações de perigo. As histórias de Carax e de Daniel vão se confundindo em uma atmosfera tensa e cheia de personagens curiosos, perigosos, interessantes. Seduzido, ele não consegue parar e a medida que vai desvendando os segredos que envolvem Julián, vai deixando de ser menino para virar homem.

Carlos Ruiz Zafón

Carlos Ruiz Zafón nasceu em Barcelona, Espanha, em 1964. Seus trabalhos foram publicados em 45 países e traduzidos para 30 idiomas. A Sombra do Vento, lançado em 2011, ultrapassou as 6,5 milhões de cópias vendidas. Ruiz Zafón colabora para os jornais espanhois La Vanguardia e El País. Atualmente mora em los Angeles onde escreve roteiros para cinema.